sexta-feira, novembro 17, 2017

IMAGINÁRiO #402

José de Matos-Cruz | 08 Janeiro 2013 | Edição Kafre | Ano X – Semanal – Fundado em 2004


PRONTUÁRiO

SUBSISTÊNCIA
O quotidiano de uma pequena aldeia isolada das montanhas, no Japão de finais do Século XIX, eis o envolvimento de A Balada de Narayama / Narayama-bushi Kô (1983) de Shohei Imamura. Um circunstancialismo cruel, de miséria e carências, a que se ligam os rituais comunitários sob implacável disciplina, quando em jogo está a sobrevivência. Em particular, o trágico destino de uma família de ladrões, e a exemplar tenacidade de uma velha mulher, em resolver os problemas dos dois filhos, antes de ser levada para o Narayama, a fim de morrer e reintegrar o espírito divino da natureza…
Distinguido com a Palma de Ouro do Festival de Cannes - com que Imamura voltaria a ser galardoado em 1997, por A Enguia / Unagi - este clássico do cinema nipónico parte de um consagrado texto literário de Shichiro Fukazawa, Narayma (a par de Homens do Norte), sobre o qual Keisuke Kinoshita havia já realizado, em 1958, um filme com o mesmo título. Símbolos intemporais, valores em causa, transfiguram uma existência singular e colectiva, em que o mero acto sexual assume um vertiginoso motivo de prazer e salvaguarda da espécie.

MEMÓRiA

08JAN1823-07NOV1913 - Alfred Russel Wallace: Naturalista, antropólogo, biólogo e espírita britânico - «Eu era um materialista tão convencido, que não admitia absolutamente a existência do mundo espiritual. Os factos, porém, são coisas pertinazes. Eles obrigam-me a aceitá-los como factos. Os fenómenos espíritas estão tão bem comprovados, como os factos de todas outras ciências».

08JAN1923-2011 - Giorgio Tozzi: Cantor lírico norte-americano - «Sabia tudo sobre arte e política, mas era um homem simples, sem o ego das vedetas» (Roger Havranek). IMAG.362

1922-08JAN2003 - José Viana: Actor português - «Apesar de ser um dos grandes actores da sua geração, o cinema poucas oportunidades lhe ofereceu» (Jorge Leitão Ramos). IMAG.397

09JAN1753-01OUT1833 - Luísa Rosa de Aguiar Todi, aliás Luísa Todi: «Cantora portuguesa que encheu a Europa com os ecos da sua voz e a fama do seu nome, considerada um modelo de perfeição artística pela crítica de 1778, coberta de louros e cercada pelas saudações ruidosas da sua imensa glória» (Diário de Notícias - 25MAR1872).

11JAN1913-1990 - Rubem Braga: Escritor brasileiro - «Há um grande vento frio cavalgando as ondas, mas o céu está limpo e o sol é muito claro. Duas aves dançam sobre as espumas assanhadas. As cigarras não cantam mais. Talvez tenha acabado o verão».

12JAN1783-1847 - Erik Geijer: Escritor e compositor sueco - «O que se faz de grande, faz-se em silêncio» (O Camponês).


13JAN1873-1932 - Joshua Benoliel: Fotógrafo e jornalista português - «Sente-se o amor que este homem tinha pela sua cidade e pelas suas gentes, a facilidade com que deambulava pelas ruas mais esconsas, testemunhando a precariedade das situações sociais, numa atitude próxima dos americanos Riis e Hine. É uma postura mais íntima, mais ‘fado’, mais humana» (José Pedro de Aboim Borges). IMAG.42-357

13JAN1913-1979 - Gilbert Cesbron: Escritor francês - «Todos os homens têm dois inimigos: o passado e o futuro. O presente é o maior presente que Deus lhes deu».

VISTORiA

As Laranjas

laranjas são brasas vivas sobre ramos
ou rostos espreitando entre colinas verdes?
e a ramaria, folhas que baloiçam
ou formas frágeis que me causam pena?

vejo-te, laranjeira, com os teus frutos,
lágrimas rubras dos tormentos do amor.
são sólidos mas, se fundidos, vinho seriam
moldados pelas mãos mágicas da natureza.
são bolas de cornalina sobre ramos de topázio
à espera do açoite da brisa.
porque tais frutos beijamos,
ou seu cheiro aspiramos,
eis que às vezes nos parecem
ou rostos de raparigas
ou pomos feitos perfume.
Ibn Sâra, as-Santarini

DEDICATÓRiA

Aos meus amigos de Sagny, ofereço esta história que não tinha o direito de escrever, porque nunca fui pobre, nem padre, nem operário.
Gilbert Cesbron
- Os Santos Vão Para o Inferno (1952)


VISTORiA

Despedida

E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido melhor assim, uma separação como às vezes acontece em um baile de carnaval - uma pessoa se perde da outra, procura-a por um instante e depois adere a qualquer cordão. É melhor para os amantes pensar que a última vez que se encontraram se amaram muito - depois apenas aconteceu que não se encontraram mais. Eles não se despediram, a vida é que os despediu, cada um para seu lado - sem glória nem humilhação.
Creio que será permitido guardar uma leve tristeza, e também uma lembrança boa; que não será proibido confessar que às vezes se tem saudades; nem será odioso dizer que a separação ao mesmo tempo nos traz um inexplicável sentimento de alívio, e de sossego; e um indefinível remorso; e um recôndito despeito.
E que houve momentos perfeitos que passaram, mas não se perderam, porque ficaram em nossa vida; que a lembrança deles nos faz sentir maior a nossa solidão; mas que essa solidão ficou menos infeliz: que importa que uma estrela já esteja morta se ela ainda brilha no fundo de nossa noite e de nosso confuso sonho?
Talvez não mereçamos imaginar que haverá outros verões; se eles vierem, nós os receberemos obedientes como as cigarras e as paineiras - com flores e cantos. O inverno - te lembras - nos maltratou; não havia flores, não havia mar, e fomos sacudidos de um lado para outro como dois bonecos na mão de um titeriteiro inábil.
Ah, talvez valesse a pena dizer que houve um telefonema que não pôde haver; entretanto, é possível que não adiantasse nada. Para que explicações? Esqueçamos as pequenas coisas mortificantes; o silêncio torna tudo menos penoso; lembremos apenas as coisas douradas e digamos apenas a pequena palavra: adeus.
A pequena palavra que se alonga como um canto de cigarra perdido numa tarde de domingo.
Rubem Braga
- A Traição das Elegantes (excerto, 1967)

COMENTÁRiO

Joshua Benoliel

O seu feitio pessoal, caracterizado por uma exuberância sadia, voz forte, desempeno de opiniões, sinceridade por vezes demasiada, nos centros de cavaco e em todos os lugares onde se podia entrever uma notícia, fez dele uma personalidade originalíssima.
Diário de Lisboa

ANUÁRiO

1043-1123 - Ibn Sâra, as-Santarini: Poeta íbero-árabe - «[É] sobre a face branca de uma página / que, ao mesmo tempo, por meio da tinta negra / das linhas, [se] anuncia / noite e dia...» (Panegírico de Abú Umayya ibn ‘Isâm).

1863 - Neste ano, há no distrito de Coimbra 7.165 nascimentos, sendo 3.636 do sexo masculino e 3.529 do feminino; o número de casamentos é de 1.692.

COROLÁRiO

Entre os clássicos de sucesso e os desafios irresistíveis, do passado e do futuro, a actualidade editorial de Lucky Luke, o cowboy que dispara mais rápido do que a própria sombra, prossegue - sob chancela Asa - Na Pista dos Dalton (1971), a partir da sensacional inspiração original por René Goscinny (1926-1977) e Morris/Maurice de Bevère (1923-2001), que também ilustra o espectacular Fingers (1983), sobre argumento de Lo Hartog Van Banda (1916-2006).


Entretanto, e imaginemos que, muito tempo antes, o Far West é o seu recreio, para revelar um precoce e ousado Kid Lucky como O Aprendiz de Cowboy (2011), tal como concebeu e ilustrou Achdé/Hervé Darmenton, mantendo coerente e rejuvenescido - entre a nostalgia e a cumplicidade - um grafismo estilizado e uma genica característica, para gáudio de todos os leitores, impenitentes ou virtuais.
IMAG.5-15-23-34-61-94-114-135-211-249-257-317-350-386

CALENDÁRiO

22MAR2012 - Midas Filmes estreia Swans de Hugo Vieira da Silva e Heidi Wilm; com Kai Hillebrandt e Ralph Herforth. IMAG.125

BREVIÁRiO

Divisa edita em DVD, A Balada de Narayama / Narayama-bushi Kô (1983) de Shohei Imamura; com Ken Ogata e Tonpei Idari. IMAG.97-134-383

Ática edita Argumentos Para Filmes de Fernando Pessoa (1888-1935.
IMAG. 26-28-64-82-130-131-157-182-187-196-207-211-236-264-323-326-330-333-343-347-376-382-384-385-395-399

Naxos edita em CD, Jean Sibelius [1865-1957] - Symphonies Nºs 6 and 7/Finlandia por New Zeland Symphony Orchestra, sob a direcção de Pietari Inkinen. IMAG.213

quinta-feira, novembro 16, 2017

IMAGINÁRiO #401

José de Matos-Cruz | 01 Janeiro 2013 | Edição Kafre | Ano X – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

PERSISTÊNCIA
«Há lugares assim, onde a terra e o céu se falam. Sei mesmo, ouso dizê-lo, em que língua fala. As nuvens e o solo trocam as suas matérias, misturam as suas partículas, abrem e reciclam os seus fragmentos de memória. As palavras chovem, invisíveis, formam frases, jogam com os destinos…» As palavras fecundas de D.H. Lawrence passam pelo olhar visionário de Enki Bilal - um dos mais prestigiados e intervenientes artistas europeus de banda desenhada - que, em Animal’z, traçou um testemunho / alerta sobre tempos próximos de degradação climatérica e crise ecológica, sobre a escassez de água potável e a demolição social, implicando alterações irreversíveis e desafios a uma sobrevivência em catástrofe.
Ainda sob chancela Asa, Júlia & Roem desvenda as consequências planetárias do impacto causado pelo golpe de sangue ambiental, traçando um sortilégio fantástico e exacerbado - entre a aprendizagem e a partilha, o sacrifício e a libertação - que Bilal consuma pelo privilégio da narrativa sobre a dramaturgia, ao sagrar uma dimensão épica e simbólica, num exorcismo imaginário entre as luzes e as trevas. No outrora Mar Báltico, um misterioso capelão atravessa o deserto mutante, num Ferrari eléctrico, sublimando a resistência e a salvação… IMAG. 11-53-60-303-312

MEMÓRiA

01JAN1653 - Morre D. Francisco de Castro, neto de D. João de Castro, 4º Vice-Rei da Índia, inquisidor e doutor em Teologia; foi Reitor da Universidade de Coimbra, Bispo da Guarda e Conselheiro de Estado; jaz no Convento de São Domingos de Benfica.

02JAN1872 - O autor e actor José Maria Braz Martins lê em casa do Senhor Torrezão a sua nova comédia em 3 actos, Fruta do Tempo.

04JAN1643-1727 - Isaac Newton: Cientista inglês, filósofo, astrónomo, físico, matemático, alquimista e teólogo - «Assim, então, a primeira religião era a mais racional de todas as outras até que as nações a corromperam. Pois não há caminho sem revelação para chegar ao conhecimento da divindade, excepto pela estrutura da natureza». IMAG.29-46-87-124-353

06JAN1883-1931 - Khalil Gibran: Pintor, filósofo e escritor líbano-americano - «Um livro é como uma janela. Quem não o lê, é como alguém que ficou distante da janela, e só pode avistar uma pequena parte da paisagem». IMAG.317

1917-06JAN1993 - John Birks Gillespie, aliás Dizzy Gillespie: Trompetista norte-americano de bebop e jazz moderno - «A música, em si, não me interessa… Aquilo de que eu gosto, mesmo, é dos sons».

1856-07JAN1943 - Nikola Tesla: Engenheiro e inventor de origem sérvia, radicado nos EUA - responsável pela corrente alterna, a televisão, a lâmpada fluorescente de néon e os radares, considerado o pai da rádio - «O cientista não tem por objectivo um resultado imediato. Ele não espera que as suas ideias avançadas sejam facilmente aceites. O seu dever é estabelecer as bases para aqueles que hão-de vir, e assinalar um caminho».

22AGO1865 - José Maria Braz Martins, - autor de Gabriel e Lusbel ou o Taumaturgo Santo António, e actor do Theatro do Gymnasio - escreve uma alegoria em verso à Exposição Internacional do Porto, que tenciona oferecer à direcção do Palacio de Crystal.

ANUÁRiO

1823-1872 - José Maria Braz Martins: Actor e autor teatral português - «Um artista dos mais inteligentes, que sabia dizer com propriedade e intuição sensual e física, produzindo em cena caracteres e tipos correctamente copiados da verdade humana, deixando um monumento honrado que o há-de fazer lembrar longamente» (Diário de Notícias - 18NOV1872). IMAG.395

1883-1967 - Marie Rouget, aliás Marie Noёl: Poetisa francesa - «Aquele que de nada precisa, tudo lhe faz falta».


CALENDÁRiO

19JAN-20MAI2012- Museu Nacional de Etnologia expõe António Peralta (1919-1984) - O Pintor Que Esculpia Histórias.

14MAR2012 - Em Conselho de Ministros, o Governo define que o arquivo da Tobis Portuguesa - recentemente vendida à empresa angolana Filmdrehtsich, que ficará com o negócio de restauro e digital - passa a ser classificado como «tesouro nacional», envolvendo o património fílmico e imobiliário, pelo que o acervo audiovisual não poderá ser alienado para o estrangeiro, sendo necessária autorização oficial para qualquer movimentação temporária.
IMAG.15-95-115-150-154-180-192-228-236-230-256-335

VISTORiA

Do Primeiro Beijo

É o primeiro gole de néctar da Vida, numa taça ofertada pela divindade. É a linha divisória entre a dúvida que engana o espírito e entristece o coração, e a certeza que inunda de alegria nosso íntimo. É o começo da canção da Vida e o primeiro acto do drama do Homem Ideal. É o vínculo que une a obscuridade do passado com a luminosidade do futuro. É a ponte entre o silêncio dos sentimentos e a sua própria melodia. É uma palavra pronunciada por quatro lábios, proclamando o coração um trono, o Amor um rei e a fidelidade uma coroa. É o toque leviano dos dedos delicados da brisa nos lábios da rosa - pronunciando um longo suspiro de alívio e um suave gemido.
É o começo daquela vibração mágica que transporta os amantes do mundo das coisas e dos seres para o mundo dos sonhos e das revelações.
É a união de duas flores perfumadas; e a mistura de suas fragrâncias, para a criação de uma terceira alma.
Assim como o primeiro olhar é uma semente lançada pela divindade no campo do coração humano, assim o primeiro beijo é a primeira flor nascida na ponta dos ramos da Árvore da Vida.
Khalil Gibran 
- A Voz do Mestre

Isaac Newton disse que pôde ver mais além porque estava aos ombros de gigantes, mas não acreditava nisso. Nasceu num mundo de trevas, obscuridade e magia; conduziu uma vida estranhamente pura e obsessiva, sem pais, amantes ou amigos; pelejou amargamente com grandes homens que se atravessaram no seu caminho; esteve pelo menos uma vez à beira da loucura; escondeu o seu trabalho em secretismo; e contudo descobriu mais no que respeita ao núcleo essencial do conhecimento humano do que qualquer outra pessoa antes ou depois dele.
James Gleick
- Isaac Newton (2003 - excerto)

COMENTÁRiO

Afinal a Maçã Não Caiu Na Cabeça de Sir Isaac Newton


Um dos mais famosos episódios da história da ciência, o da maçã que caiu sobre a cabeça de Isaac Newton e que levou o cientista a formular a teoria da gravidade, será infelizmente apenas uma boa lenda.
A Royal Society de Londres disponibilizou o manuscrito da biografia de Newton, publicada em 1752 e da autoria de William Stukeley, Lembranças da Vida de Isaac Newton, onde o autor menciona o episódio.
Segundo conta o biógrafo, os dois homens jantaram e conversaram enquanto tomavam chá sob um pomar de macieiras. E Newton contou ao seu amigo como lhe ocorrera a ideia, ao ver uma maçã a cair no chão. «Por que razão uma maçã desce sempre de forma perpendicular ao chão?», questionou-se o cientista.
Afinal, a maçã nunca caiu na cabeça de Newton, mas no seu ângulo de visão. O manuscrito de Stukeley pode ser visto na Internet, AQUI.
20JAN2010 - Diário de Notícias

TRAJECTÓRiA

António Peralta - O Pintor que Esculpia Histórias


António Peralta (1919-1984) nasceu em Vila Nova do Coito (Almoster) onde residiu grande parte da sua vida. Foi carpinteiro de muita obra, desde o travejamento e emadeiramento da casa em construção, ao mobiliário, alfaia agrícola e outro equipamento doméstico ou da lavoura.
No começo da década de 1950 vive com a sua companheira na aldeia vizinha de Alforzemel, na casa que está a concluir e onde tem a sua oficina. Quando a conhecemos, falou-nos daquela intensa relação e do interesse de Peralta pela leitura. Daí ela dizer saber de memória o Amor de Perdição que o companheiro lhe lia em voz alta. Virão em breve os anos de ruptura desta ligação, e um progressivo isolamento afasta-o do convívio de familiares e vizinhos. Estes, aparentemente, não vieram a ter conhecimento e nada nos podem dizer da sua obra de artista.
Sabemos que no começo dos anos de 1960 já fazia quadros como os que mostramos, talvez mesmo alguns dos que aqui podemos ver. E é também naqueles anos que deixa de aceitar trabalhos de obra grossa como os que antes fazia.
Peralta vinha a Lisboa de camioneta, na carreira do Vinagre, e colocava os seus quadros em estabelecimentos em vários pontos da cidade, sem que saibamos ainda os motivos ou o puro acaso dessa escolha. Temos notícia, por exemplo, de lugares na Rua da Palma, Rua Barros Queirós, Rua Cecílio de Sousa, ou um adelo entre Alfama e St.ª Apolónia. Ali viriam a despertar o olhar e o fascínio daqueles que, pelos canais da amizade e de cumplicidades sociais e estéticas, partilharam essa revelação.
A pesquisa que conduzimos, inspirada pelas duas exposições antes feitas nas GaleriasTrem e Arco (Faro, 1996) e na Galeria Novo Século (Lisboa, 1998), permitiu reunir cerca de uma centena de quadros e tomar conhecimento de muitos outros que não vieram a ser contemplados nesta exposição. São um espaço em aberto para múltiplas interrogações de uma obra cuja leitura não se esgota na enumeração dos temas, e encontrará muito do seu sentido na própria exigência formal e na execução material que o autor nelas imprime. Uma obra que ajuda a colocar questões para uma antropologia da construção do indivíduo e das formas de interrogar o mundo.
A exposição tornou-se possível pela disponibilidade, generosidade e entusiasmo dos coleccionadores da obra de António Peralta que acrescentaram ao empréstimo dos quadros as preciosas informações sobre as circunstâncias da sua aquisição e a expressão da emoção e dos afectos que neles se projectam.

BREVIÁRiO

7 Nós edita Ferdydurke de Witold Gombrowicz (1904-1969); tradução de Maja Marek e Júlio do Carmo Gomes. IMAG.236

Gradiva edita O Grande Inquisidor de João Magueijo; tradução de Helena Ramos. 
 

segunda-feira, novembro 13, 2017

IMAGINÁRiO #400

José de Matos-Cruz | 24 Dezembro 2012 | Edição Kafre | Ano IX – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

MASSACRE
Em 1991, e pela sétima vez em vinte anos, dois talentosos e dos mais perturbantes símbolos do cinema americano, o realizador Martin Scorsese e o actor Robert De Niro voltaram a filmar juntos, repetindo os rituais novelizados em The Executioner’s de John D. MacDonald, já transpostos sob a direcção de Jack Lee Thompson em Barreira do Medo (1962), com Robert Mitchum. Eis O Cabo do Medo / Cape Fear - explorando uma ameaça vindicativa e obsessiva. Em causa primordial, um criminoso psicopata dedica-se, primeiro de modo capcioso, e logo numa espiral de violência, a destruir o promotor de justiça que lograra condená-lo a catorze anos de prisão… Nesse desígnio sistemático, em que evolui um imaginário de fixação e paranóia, sob o signo do sadismo e do horror, Scorsese estabelece um complexo e fascinante desenvolvimento sobre os sinais físicos, morais ou sexuais - em erosão, conflito e rotura, quanto à própria família da vítima. Além de Nick Nolte e Jessica Lange no casal visado, o elenco inclui também, por subtil sarcasmo, três dos intérpretes principais de J.L. Thompson - Mitchum, Gregory Peck e Martin Balsam.

MEMÓRiA

27DEZ1822-1895 - Louis Pasteur: Químico e microbiólogo francês - «Qualquer criança me desperta dois sentimentos: ternura pelo que ela é, e respeito pelo que poderá vir a ser». IMAG.342

27DEZ1852-1908 - João Gonçalves Zarco da Câmara, aliás D. João da Câmara: Ficcionista, poeta, jornalista e dramaturgo português, autor de Os Velhos (1893) - «…Depois de ter passado pela barafunda de tantos literatos, todos eminentes, e que me enchem de admiração e de cansaço: parece que topo uma fonte, aberta em rocha viva, donde corre um fio de água límpido e frígido como um fio de lágrimas. Apaga-me a sede!» (Raul Brandão - Álbum Açoreano, 1903. IMAG.133-161-182-301

28DEZ1872-1956 - Pio Baroja: Escritor espanhol da Geração de ’98 - «Assim como a desgraça faz discorrer mais, a felicidade rouba todo o desejo de análise; por isso, é duplamente desejável».

28DEZ1922-2010 - Mariana Rey Monteiro: Actriz portuguesa de teatro, cinema e televisão, filha de Amélia Rey-Colaço e de Robles Monteiro - «Foi uma grande revelação, um grande sucesso. E, depois, foi desenvolvendo uma carreira brilhante» (Eunice Muñoz). IMAG.328

CALENDÁRiO

1938-10MAR2012 - Jean Henri Gaston Giraud, aliás Jean Giraud, aliás Gir, aliás Moebius: Artista francês de banda desenhada - «As minhas obras de ficção científica procedem mais a uma exploração do lado psíquico da assimilação, do poder potencial, do controlo e da projecção, do onírico... De conexão, algo clandestina, com os arquivos do passado e do presente, ou respectivos problemas filosóficos». IMAG.12-16-28-30-60-91-127-221

ANUÁRiO

1952-2010 - Christian Desbois: Editor e galerista francês, sob o signo dos quadradinhos, promotor de François Schuiten e Jacques de Loustal - «Interessa-me o imaginário da banda desenhada - mas nunca digo bd, pois esta sigla acabou por ter uma conotação pejorativa» (Livres Hebdo - 2007). IMAG.312

VISTORiA

SONETO

Amortecera o lume da lareira;
no pálido clarão, que o fundo esmalta,
a minha fantasia, que se exalta,
vê passar mil visões, como em fileira.
 
Como as fagulhas correm na madeira
e morrem, passam elas na ribalta;
nem uma só lembrança ali me falta,
de tanto que passei na vida inteira!
 
Oh deixem-me sonhar um sonho infindo!
Dormir é reviver. Quero, dormindo,
viver o meu passado tão risonho!
 
Não me despertes, anjo da saudade...
Tanto sonho já foi realidade;
já foi realidade…, e agora é sonho!
D. João da Câmara

TRAJECTÓRiA

JEAN GIRAUD

Um dos mais talentosos e versáteis criadores europeus de banda desenhada, Jean Giraud - aliás Gir - alcançaria justa consagração realista, a partir de 1963, recriando um lendário western sobre as façanhas do tenente Mike Steve - aliás Blueberry, numa saga imortal -, enquadradas por Forte Navajo. Um decénio depois, o prestígio internacional consolidou-se, como Moebius, através de explorações fantásticas, patentes num imaginário virtualmente estilizado, em humor e transcendência. Tal tendência, complexa mas fascinante, expandiu-se através de O Mundo de Edena - sobre um bizarro planeta, seus povos e heróis; ou das aventuras de John Difool - com o cineasta e ficcionista Alejandro Jodorowski.

PARLATÓRiO

A diferença entre a moral e a política está no facto de que, para a moral, o homem é um fim, enquanto que, para a política, é um meio. A moral, portanto, nunca pode ser política, e a política que for moral deixa de ser política.
Pio Baroja

Gir / Moebius

Entre Gir e Moebius, há uma partilha equitativa nos modos de me exprimir. O que pretendo é ter a possibilidade de passar entre eles, sem que cada um sofra a presença do outro. Tento que se manifestem em alternância - como na política, quanto à esquerda e à direita; ou em nós mesmos, os lados masculino e feminino. Penso que um homem que rejeita o seu lado feminino, não é um homem total. O ideal é ter o homem e a mulher em permanência - mas, se não for possível, devem evidenciar-se rotativamente. Quanto a Gir e ao Tenente Blueberry, tenho uma biblioteca bem fornecida - quanto a referências sobre o Oeste, os cavalos, a paisagem, as armas; e, também, razoavelmente organizada - sobre a banda desenhada nesta matéria, ou os meus autores preferidos. Tudo isso combina com o meu humor de momento, a capacidade que sinto para começar um trabalho... Procuro, afinal, um exercício delicado, de equilíbrio.
Moebius e Gir correspondem a duas formas de ser que encontramos no nosso íntimo, que em geral coabitam e, no melhor dos casos, se completam; e, no pior, se excluem. Como Moebius, decorram as minhas histórias na actualidade ou no futuro, têm um eco fácil quanto a todo o mundo - seja americano, australiano, indiano, português, israelita, inglês ou escandinavo. Algo que me faz sentir um rosto, o projecto colectivo de uma raça que vai às estrelas, coloca a tecnologia ao seu serviço e tudo sobrepõe. Mas as minhas obras de ficção científica não se fundam apenas nessa base, procedem mais a uma exploração do lado psíquico da assimilação, do poder potencial, do controlo e da projecção, do onírico... De conexão, algo clandestina, com os arquivos do passado e do presente, ou respectivos problemas filosóficos... Tudo, aspectos misturados de uma maneira por vezes anárquica, mas é o meu modo de criar.
Jean Giraud

BREVIÁRiO

Universal edita em DVD, Cape Fear - Collection de J. Lee Thompson (1962) e Martin Scorsese (1991).
IMAG.12-27-41-44-61-67-81-85-109-113-134-217-244-246

ANTIQUÁRiO

OUT-DEZ1872 - Neste período, exportam-se dos portos de Portugal, com destino a Bristol, Glowcester e Swansea, 3.010 toneladas de enxofre, 14 de zinco, 617 de manganês, 57 de chumbo e 833 de cobre, tudo no valor de 117:067$725 réis. Os principais signatários foram J. Mason e Richardson.

25DEZ1942 - No universo em quadradinhos concebido por Guido Crepax, nasce Valentina Rosseli - que apareceu pela primeira vez, secundária, na revista Linus de 1965, em La Curva di Lesmo, sendo protagonista o companheiro Neutron - um justiceiro com poderes supranormais e electrónicos - com a identidade secreta de Philip Rembrandt, prestigiado crítico de arte. Guido Crepax revelou tais origens vivenciais em Valentina Intrépida (1975), aliando-os em narrativa paralela ao passado próprio de Rembrandt / Neutron, através de uma estrutura embrionária e memorial. IMAG.40

28DEZ1922 - Representantes da Rússia, da Transcaucásia, da Ucrânia e da Bielorrúsia reúnem-se em Conferência destinada a aprovar o Tratado de Criação da URSS/União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, confirmado pelo I Congresso dos Sovietes e, em 30DEZ, assinado pelos chefes das delegações presentes. Sendo líder Vladimir Lenine, a União Soviética adoptou uma Constituição baseada na Ditadura do Proletariado, e declarou a propriedade pública da terra e dos meios de produção.


1857-31DEZ1862 - O rendimento dos omnibus da Companhia Lisbonense - instituída em 1835, e empregando desde então no serviço 1.005 cavalgaduras, que custaram 114.987$000 réis - é, neste período, de 1.058.509$460 réis.

sábado, novembro 11, 2017

IMAGINÁRiO #399

José de Matos-Cruz | 16 Dezembro 2012 | Edição Kafre | Ano IX – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

TRANSIÇÕES
Alix apareceu na revista Tintin em 1948, sendo autor Jacques Martin (1921-2010). Em 1956, foi lançado o primeiro álbum, sob chancela Casterman - editora à qual Martin cedeu em 2006, dois anos após uma estadia em Portugal, os direitos de todos os seus heróis e séries. Símbolo juvenil em aventuras erráticas, determinantes, através da Antiguidade Clássica, a deriva de Alix - a partir da Gália, como eixo virtual - estende-se da Grécia ao Egipto, de África à Ásia Menor, virtualizando uma partilha de emoções, uma busca de identidade que, intemporalmente, sublimam a própria jornada da existência e da liberdade.
Entretanto, Alix regressa sob chancela Asa, com O Ibero (2007) - por Patrick Weber e François Mangoval (argumento) e Christophe Simon (ilustração) - expandindo o sortilégio épico, através de coerente mas sugestiva revitalização gráfica. Em 46 a.C., Júlio César conduz as suas legiões na Hispânia, acompanhado por Alix, a quem recompensa como colono de uma fértil região… Ao fulgor histórico, à síntese pedagógica, funde-se a própria evolução cultural e civilizacional em mutação. IMAG.30-86-195-287

CALENDÁRiO

1923-25FEV2012 - Erland Josephson - Actor sueco do teatro e do cinema, director artístico do Real Teatro Dramático de Estocolmo, favorito de Ingmar Bergman («Era um homem obcecado com o malogro, mas que teve mais sucesso do que muitos outros que tentaram assumir o seu método»).

1920-29FEV2012: Sheldon Moldoff: Ilustrador americano de banda desenhada, colaborador de Bob Kane no universo de Batman (1953-1967), tendo co-criado as personagens de Bat-Girl, Poison Ivy, Batwoman, Mr. Freeze ou Matt Hagen / Clayface - «Era um pacto pessoal, uma colaboração anónima… Ele não me pagava grande coisa, mas eu tinha trabalho garantido e seguro». IMAG.241

01MAR-24JUN2012 - Em Cascais, Casa das Histórias Paula Rego expõe Mood / Humor de Paula Rego sendo curadora Ana Ruivo. IMAG.11-13-31-199-205-258-269-325-342-364

1925-05MAR2012: Robert B. Sherman: Criador musical americano, escreveu canções para filmes com o irmão Richard Morton Sherman (distinguidos com dois Oscars por Mary Poppins - 1964), sendo autor de Supercalifragilisticexpialidocious.

07MAR-21ABR2012 - No Teatro da Politécnica, em Lisboa, Artistas Unidos expõe Realmente Real de Jorge Pinheiro.

08MAR2012 - Clap Filmes produziu, e estreia Em Câmara Lenta de Fernando Lopes, com Maria João Pinho e Rui Morrison; em complemento, O Dia Mais Feliz da Tua Vida de Adriano Luz, com Carla de Sá e Miguel Borges.
IMAG.1-19-64-82-111-203-219-261-276-278-314-330-345

08MAR2012 - UkBar Filmes produziu, e estreia Florbela de Vicente Alves do Ó; sobre Florbela Espanca (1894-1930), com Dalila Carmo e Albano Jerónimo. IMAG.17-80-151-243-284-302-353-367

10MAR-15ABR2012 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I apresenta Ausência(s)…, exposição de escultura e desenho de Pedro Léger Pereira.

15MAR-06MAI2012 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I apresenta Alar, pintura e filme de animação de Cármen Lloret.

29MAR-15MAI2012 - Em Lisboa, Galeria Quadrado Azul expõe Knell Dobre Glas por Rigo 23, Julie Ault, Rui Baião, Rossella Biscotti, Kevin van Braak, Christian Capurro, Emory Douglas, Christine Fowler, Luis Manuel Gaspar, Felix Gonzalez-Torres, Karl Holmqvist, Heinz Peter Knes, André Maranha, Pedro Morais, Paulo Nozolino, Rui Nunes, Henrik Olesen, Willem Oorebeek, Ana Pérez-Quiroga, Sara Rodrigues, Ahlam Shibli, Arlindo Silva, Thierry Simões, André Sousa, Sérgio Taborda, Francisco Tropa e Danh Vo, sendo comissário Óscar Faria.

MEMÓRiA

15DEZ1832-1923 - Gustave Eiffel: Engenheiro francês - «É parte integrante da paisagem francesa. As suas criações estão por toda parte. Às vezes de forma espectacular, como a torre monumental que decora a margem do rio Sena, em Paris. Mas frequentemente de maneira anónima, como uma pequena ponte ferroviária ou uma estrutura metálica praticamente invisível» (France Guide). IMAG.31-49-75-153-336-371-379

1887-20DEZ1982 - Arthur Rubinstein: Pianista polaco, naturalizado americano - «Não existe fórmula para o sucesso, excepto talvez, pela aceitação incondicional da vida e do que ela traz… Estar vivo, ser capaz de ver, andar, ter casas, ouvir música, admirar pinturas, tudo é um milagre. Adoptei a técnica de viver a vida, milagre a milagre». IMAG.265

TRAJECTÓRiA

Gustave Eiffel

Engenheiro e construtor excepcionalmente dotado, Gustave Eiffel (1832-1923) formou-se na área da Química na prestigiada École Central de Paris, mas cedo se dedicou à construção com ferro, que iria trabalhar de forma brilhante ao longo da vida. A sua carreira arrancou numa empresa belga de construção de caminhos-de-ferro, mas chamou a atenção com a construção da Ponte Maria Pia (1876), sobre o Rio Douro, no Porto, o Viaduto Garabit (1884), em França, e a Estação de Budapeste (Hungria), para citar apenas alguns. Foi ainda o responsável pelas estruturas dos grandes armazéns Bon Marché e Crédit Lyonnais em Paris, a cúpula do Observatório de Nice e, acima de tudo, da impressionante estrutura interna da Estátua da Liberdade, que os franceses ofereceram aos Estados Unidos para comemorar a assinatura da Declaração da Independência. A Torre Eiffel foi a cereja em cima do bolo na carreira de Gustave, que sofreu um desaire com o falhanço do projecto francês para o Canal do Panamá, onde o seu nome esteve indevidamente envolvido num escândalo financeiro.
05JUL2009 - Diário de Notícias

ANUÁRiO

1871-1872 - Neste ano económico, os rendimentos cobrados na Direcção-Geral dos Correios foram na importância de 475:033$244 réis.

NOTICIÁRiO

A Torre Eiffel

O grandioso monumento que foi alvo de todos os olhares da Exposição Universal de 1889, em Paris foi novamente aberto ao público. No primeiro dia, subiram à torre mais de três mil pessoas. IMAG.31-49
06ABR1890 - Diário de Notícias

GALERiA

PEDRO LÉGER PEREIRA EM CASCAIS

Escultor e arquitecto, Pedro Léger Pereira é natural de Lisboa. Fez estudos em Haia, concluindo as licenciaturas em Arquitectura (2001) e em Belas Artes Escultura (2009), ambas na Faculdade de Arquitectura da UTL. O artista dedica-se ainda ao desenho, preenchendo as duas modalidades - escultura e desenho - o conjunto de trabalhos escolhidos para Cascais. As esculturas seleccionadas têm como génese a representação de um conjunto de sólidos geométricos puros, apostando o autor, não na presença física dos mesmos, mas na «denúncia da sua ausência», abordando nos desenhos idêntica temática em termos conceptuais, ao definirem graficamente alguns pontos de vista difíceis de apreender nas peças tridimensionais, as quais correspondem a uma ideia de «desconstrução controlada».

CARMEN LLORET EM CASCAIS

Artista plástica multidisciplinar e realizadora de animação. O seu trabalho fundamental centra-se na expressão plástica resultante da investigação teórica do movimento. Realizou 130 exposições individuais e colectivas, nacionais e internacionais (Espanha, Portugal, Chile, Inglaterra, Suiça, México e Taiwan), destacando as instalações lumino-cinéticas: Yo Bebi En Hipocrene al Otro Lado de los Espejos e Inundados de Mediterráneo. Obteve 34 prémios em Artes Plásticas e está representada, com a sua obra, em numerosas colecções públicas e privadas. É Catedrática da Universidade de Movimento e Animação (1998) da Universidade Politécnica de Valência (UPV) e Doutora em Belas Artes (UPV, 1985), com 37 anos de ensino das matérias mencionadas. Em 1995, promoveu a inclusão da Animação na sua Universidade, exercendo a respectiva docência até à data. Participou em congressos e encontros de Animação em Havana, Bratislava, Annecy, Caldas da Rainha e Cidade do México. Fez parte de júris em diversos festivais de animação em Cuba, Portugal e Espanha.

BREVIÁRiO

BookTree edita Garfield - Viva a Dieta!  e  Garfield - FUNtástico de Jim Davis. IMAG.1-172

Ática edita «Associações Secretas» e Outros Escritos de Fernando Pessoa (1888-1935).
IMAG.26-28-64-82-130-131-157-182-187-196-207-211-236-264-323-326-330-333-343-347-376-382-384-385-395

Ática edita Crónicas da Vida Que Passa de Fernando Pessoa (1888-1935).
IMAG.26-28-64-82-130-131-157-182-187-196-207-211-236-264-323-326-330-333-343-347-376-382-384-385-395

Harmonia Mundi edita em CD, Luigi Boccherini [1743-1805]: La Musica Notturna delle Strade di Madrid por Quarteto Casals com Eckard Runge (violoncelo) e Carles Trepat (guitarra).

Bertrand edita A Descoberta do Mundo de Clarice Lispector (1920-1977). IMAG.158-301-375

Anti/Edel edita em CD, Bad As Me de Tom Waits. IMAG.16-132

Ulisseia edita Os Crimes dos Viúvos Negros de Isaac Asimov (1920-1992); tradução de Raquel Dutra Lopes. IMAG.231-257-278-365

Sony edita em CD, Gioacchino Rossini [1792-1868]: Overtures por Münchener Kammerorchester, sob a direcção de Alexander Liebreich. IMAG.320-323-360

EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS - Folhetim Aperiódico

QUANDO A NOITE ESTÁ PARADA VÃO-SE OS VENTOS DE MUDANÇA - 5

Olavo ficou chocado com a imensa ansiedade de Silvina, e sussurrou-lhe ao ouvido, tocando ao de leve no seu braço:
Creia então, gentil colega, que eu pertenço ao calibre dos primeiros…
Ora, chegara a hora de voltarem ao trabalho, na casa de câmbio, loterias e papéis de crédito, Hugo Vierling & C.ª, pois esperava-os um esticão até à Praça da Rainha D. Adélia. Porém, uns tão intensos instantes de passeio e desfrute ficariam para sempre, nostálgicos, a unir aqueles dois escravizados da pequena sobrevivência burguesa.
Continua